Adam Neumann, o excêntrico fundador da WeWork que conseguiu arrecadar US$ 1 bilhão para seu novo projeto

  • Leire Ventas
  • Correspondente da BBC Mundo em Los Angeles

Adam Neumann

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Adam Neumann, que lançou a WeWork

Seu projeto anterior é um estudo de caso de como se forma uma bolha financeira que mais tarde estoura. Mas isso não tem sido um obstáculo para que seu novo empreendimento já esteja avaliado em US$ 1 bilhão. E mesmo meses antes para seu lançamento.

Estamos falando de Adam Neumann , o empresário excêntrico que em 2010 montou a WeWork, uma empresa de aluguel de espaços de coworking. Em seu auge, ela foi avaliada em US$ 47 bilhões.

Quando estava prestes a abrir o capital, em 2019, ficou claro que seu valor real estava bem abaixo do que o havia sido estimado. As perdas foram tão espetaculares quanto as expectativas. Neumann foi forçado a deixar o cargo de CEO.

No entanto, o empresário parece não ter perdido um pingo de sua capacidade de convencer os maiores investidores a apostar nele.

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Start-up de coworking chegou a ter valor estimado de US$ 47 bilhões

E da mesma forma que obteve bilhões do SoftBank — um dos mais importantes fundos de capital de risco do mundo — para a WeWork, ele já conta com um bom respaldo financeiro para sua nova iniciativa, sobre a qual pouco se sabe além de seu nome, Flow, e que tem a ver com imóveis.

Embora esse não seja o único talento que o acompanha de seu passado. O mesmo acontece com a capacidade de gerar controvérsia.

Mas vamos por partes…

Começo: roupas de bebê

Neumann nasceu em Tel Aviv em 1979. Disléxico, não aprendeu a ler e escrever até a terceira série, e serviu por cinco anos no Exército israelense. “Lá conheci a maioria dos meus melhores amigos hoje”, disse ao jornal israelense Haaretz em 2017.

Em 2001, decidiu se mudar para Nova York.

Seu objetivo na cidade americana era “conseguir um ótimo emprego, se divertir muito e ganhar muito dinheiro”, como disse ao site de tecnologia TechCrunch em 2017 .

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Neumann tem uma vida pessoal “glamourosa” ao lado de sua irmã Adi (com quem aparece na foto) e a esposa Rebekah, prima da atriz Gwyneth Paltrow.

Começou matriculando-se na Zickling School of Business do Baruch College, um centro público que faz parte da City University of New York, e frequentando as boates da cidade com sua irmã Ari, modelo e ex-Miss Israel Adolescente, com quem dividia um apartamento.

Com apenas quatro créditos para se formar, Neumann decidiu largar a faculdade e mergulhar no mundo dos negócios (ele terminaria o curso em 2017).

Era algo que eu estava tentando desde que era estudante, primeiro com um modelo de salto alto dobrável que passou despercebido e depois com a Krawlers, uma marca de roupas de bebê com joelheiras (para não machucar as crianças).

Essa última ideia levou à Egg Baby, que ele fundou em 2006 e se tornou sua primeira empresa de sucesso.

Foi nessa época que conheceu Miguel McKelvey, que se tornaria seu sócio na WeWork.

Eles se conectaram rapidamente e McKelvey o convenceu a mudar seu negócio para o prédio no bairro do Brooklyn onde trabalhava.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Adam Neumann montou a WeWork junto a Miguel McKelvey (na foto.

Lá, em uma de seus frequentes brainstormings, teve a ideia alugar espaços vazios em escritórios para quem quisesse ocupar por pouco tempo.

Assim nasceu a Green Desk, uma empresa de coworking. Eles logo a venderiam, mas continuaram com a ideia e a incorporaram no que se tornou a WeWork.

Neumann também vinculou a origem da empresa à sua história pessoal, relacionando-a à sua infância itinerante e ao tempo passado em um kibutz (uma colônia agrícola comunal). Na verdade, ele disse ao jornal israelense Haaretz que às vezes se referia à WeWork como “Kibutz 2.0”.

A criação do slogan da empresa, “faça o que você ama”, é creditada a sua esposa Rebekah Neumann, que conheceu durante seus anos de estudante e é prima em primeiro grau da atriz Gwyneth Paltrow (seu nome de solteira é Rebekah Paltrow) e amiga de Ivanka Trump, filha de Donald Trump.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Adam Neumann e a esposa Rebekah

A empresa abriu seu primeiro espaço de coworking no bairro de Little Italy, em Nova York, e com Neumann no comando e um elenco de investidores de alto nível, como o japonês Masayoshi Son, dono do SoftBank, continuou a expandir para 120 cidades em 40 países e se tornou a start-up mais valiosa dos Estados Unidos.

Esse foi o pico do qual ele começaria a cair.

Caiu em desgraça

No turbilhão do crescimento, a empresa de Neumann deixa de ser apenas um negócio de aluguel de escritórios e o império “Nós” começa a tomar forma .

A partir da WeWork, nasceram a WeLive, uma companhia de habitação comunitária, a WeGrow, uma rede internacional de escolas para filhos de nômades digitais em que os Neumann matricularam seus quatro filhos mais velhos (hoje o casal tem seis) e a Rise by We, uma rede de academias.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Marca “We” se tornou um império.

Outras ideias não prosperaram, enquanto Neumann se entregava às suas excentricidades — como andar descalço pelos escritórios, ou instalar uma piscina e uma sauna infravermelha em sua sala.

Seu conhecido gosto por festas, dúvidas sobre sua capacidade de gestão, além operações consideradas prejudiciais à empresa — como comprar imóveis que depois foram alugados para a WeWork — logo começaram a impactar os investidores.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Investidores potenciais começaram a questionar os vínculos entre finanças pessoais de Neumann e as da WeWork

Eles começaram a se perguntar se a WeWork realmente valia US$ 47 bilhões.

Em 2019, devido à desconfiança dos mercados e o risco de um fracasso no IPO (oferta pública de ações, quando uma companhia passa a negociar na bolsa de valores), a empresa decidiu adiar a sua estreia nos mercados e apurar qual era a sua real situação.

A isso se seguiu a demissão de Neumann do cargo de diretor-executivo da empresa. Ele foi processado na Justiça por investidores.

Mas acabou inocentado e com o US$ 1 bilhão obtido pela venda de suas participações se somaram US$ 185 milhões por seguir como conselheiro da companhia que ele próprio fundou.

Crédito, WeWork

Legenda da foto,

WeWork quería revolucionar la experiencia de la oficina en las grandes ciudades.

Quando a WeWork finalmente estreou na bolsa, seu valor de mercado já havia caído para US$ 9 bilhões e hoje chega a apenas US$ 4,1 bilhões.

A história ocupou as páginas do jornais, rendeu um podcast de dez partes dirigido por David Brown, WeCrashed: The Rise and Fall of WeWork, que mais tarde inspirou uma minissérie de televisão, que estreou na Apple TV+ em março passado e na qual Jared Leto e Anne Hathaway dá vida ao casamento de Neumann.

Outra “revolução”?

Mas essa história não acabou para o empreendedor Neumann, que parece pronto para voltar com um novo projeto, a Flow, e uma boa rede de suporte.

Não se sabe muito sobre a empresa.

Em janeiro, o jornal americano Wall Street Journal informou que Neumann havia comprado participações em mais de 4.000 casas nos Estados Unidos, de Miami e Fort Lauderdale até Atlanta e Nashville, com o objetivo de criar “uma marca de apartamentos amplamente reconhecida, equipada com todos os tipos de confortos”.

Segundo o também jornal americano New York Times, a Andreessen Horowitz, uma lendária empresa de capital de risco que já apoiou o Facebook e o Airbnb, teria investido US$ 350 milhões no novo empreendimento de Neumann.

Segundo a imprensa americana, que cita três fontes a par dos investimentos até agora na Flow, a empresa já teria valor estimado em mais de US$ 1 bilhão.

Nesta semana, Andreessen Horowitz confirmou seu endosso ao Flow em seu blog, descrevendo Neumann como um “líder visionário” que “basicamente redesenhou a experiência do escritório” e apostando que fará o mesmo para aluguel de imóveis.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Firma de capital de risco Andreessen Horowitz

“Adoramos ver os empreendedores se basearem em sucessos passados ​​e crescerem com as lições aprendidas”, diz o blog.

“Achamos que é natural que, para sua primeira iniciativa WeWork, Adam reconecte as pessoas, transformando seus espaços físicos e construindo comunidades onde as pessoas passam mais tempo: suas casas”, continuou ele.

“O mercado imobiliário, o maior ativo do mundo, está preparado exatamente para essa mudança” .

Nem a Flow, que seu site diz que será lançado em 2023, nem Horowitz responderam aos pedidos de entrevista da repórter de negócios da BBC Natalie Sherman.

Mas nem tudo foram elogios para Neumann.

Alguns investidores se espantaram com o nível de apoio recebido por alguém com esse histórico, e outros ressaltam a lacuna entre o financiamento de projetos de “homens brancos do Vale do Silício” e startups lideradas por mulheres ou empreendedores de outras origens étnicas.

“Há uma razão para isso estar causando tanta agitação… É por causa do tamanho do cheque, do financiamento sem precedentes que alguém com reputação de empresário imoral recebe. Isso cria uma reação emocional”, disse à BBC Allison Byers, fundador e CEO da Scroobious, cujo objetivo é ajudar startups administradas por grupos sub-representados a encontrar financiamento.

Ela foi uma das muitas usuárias que usaram as redes sociais para expressar sua frustração pelos investimentos no Flow. “Estamos presos a esses padrões impossíveis. Esse é o ultraje.”

A grande aposta em Neumann também ocorre em um momento em que grande parte do setor de tecnologia enfrenta uma desaceleração, dificultando a captação de recursos das startups e levando a demissões e desacelerações ou congelamentos de contratações.

A investidora Leslie Feinzaig, fundadora e diretora-gerente do fundo de capital de risco Graham & Walker, também descreve a notícia do prêmio de Neumann como um “soco no estômago”.

“Minha reação imediata foi: “Gostaria que as mulheres tivessem a mesma oportunidade de falhar tão espetacularmente quanto Adam Neumann”.

No ano passado, apenas 2% do capital de risco nos EUA foi para empresas fundadas exclusivamente por mulheres, o menor percentual desde 2016, segundo a Pitchbook, empresa que gerencia dados sobre mercados de capitais privados.

E o percentual destinado a empresas fundadas por afro-americanos foi ainda menor, segundo a Crunchbase, plataforma que agrega informações comerciais de empresas privadas e públicas.

“O verdadeiro empreendedorismo é a capacidade de se recuperar de erros e contratempos, mas Andreessen não apenas deu isso” a Neumann, “ele parece estar comemorando também”, conclui Feinzaig.

Seja como for, resta saber se o desfecho desta nova aventura vai ser parecido ao da WeWork.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Marcações: