No Dia Mundial do Refugiado, ONU pede mais solidariedade e menos bloqueio nas fronteiras

A Organização das Nações Unidas (ONU) celebra, nesta terça-feira (20), o Dia Mundial do Refugiado, destacando o poder da inclusão. Segundo a organização, conflitos, violência, pobreza e alterações climáticas são alguns dos fatores que levam milhares de pessoas, todos os dias, a abandonar o seu país à procura de uma vida melhor. Nos últimos anos, o mundo tem assistido ao maior fluxo de deslocados forçados já registrado. Só no ano passado houve mais 19,1 milhões de refugiados do que em 2021, atingindo número histórico, com graves consequências para os direitos humanos.

Para lidar com a questão, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu mais “apoio e solidariedade” para homens, mulheres e crianças que enfrentam essas jornadas difíceis, em vez de “fronteiras fechadas e bloqueios”. “A sua perseverança perante a adversidade inspira-me todos os dias. Os refugiados representam o melhor do espírito humano. Eles precisam e merecem apoio e solidariedade, não de fronteiras fechadas e de bloqueios”, defendeu.

Proclamada em 2000, a data é comemorada anualmente, no dia 20 de junho, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), com o objetivo de realçar a coragem, os direitos, as necessidades e a resiliência das pessoas nessas condições. Este ano, o foco das celebrações é o poder da inclusão e as soluções para os refugiados – pessoas que fugiram da guerra, violência, conflito ou perseguição e que atravessaram uma fronteira internacional para procurar segurança em outro país.

A data visa mobilizar vontade política e recursos para que os deslocados forçados e solicitantes de asilo possam não só sobreviver, mas também prosperar nos países que os acolhem. Além disso, procura também lembrar todos os que tiveram de escapar da guerra, das perseguições ou de cenários de violência, assim como quem teve de fugir por motivos como raça, religião, nacionalidade, ou pertença a um grupo social particular ou com opinião política.

O conflito na Ucrânia, somado a outros, além das crises causadas pelas alterações climáticas, levaram a um recorde de deslocados em 2022 e 2023, elevando a urgência de ação imediata e coletiva para aliviar causas e impactos do fenômeno. De acordo com o relatório anual do Acnur, denominado Tendências Globais das Deslocações Forçadas 2022, o número de pessoas deslocadas por guerras, perseguições, violência e violações dos direitos humanos chegou a 108,4 milhões em 2022, um recorde, tendo sido contabilizados mais 19,1 milhões do que no ano anterior.

Ou seja, mais de uma em cada 74 pessoas no mundo foi forçada a fugir. E com o início do conflito no Sudão, a trajetória ascendente do deslocamento forçado global não mostra sinais de abrandamento em 2023, tendo sido desencadeados novos fluxos de saída, elevando o total para cerca de 110 milhões, em maio de 2023, no mundo. “Esses números mostram que algumas pessoas são muito rápidas ao entrar em conflitos e muito lentas para encontrar soluções. A consequência é a devastação, o deslocamento e a angústia para cada um dos milhões de pessoas arrancadas à força de suas casas”, afirmou o alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi.

Do total global de deslocados no ano passado, 35,3 milhões eram refugiados e 58%, ou seja, 62,5 milhões de pessoas, eram deslocadas internas devido a conflitos, violência e eventos relacionados com a crise do clima. A guerra na Ucrânia foi o principal fator de deslocamentos em 2022.

Mas há novos conflitos e outros que têm mantido nos últimos anos, ou foram retomados, como na República Democrática do Congo, na Etiópia e em Mianmar, onde mais de 1 milhão de pessoas foram deslocadas do seu país de origem.

Os números do relatório também confirmam que continuam a ser os países de baixos e médios rendimentos – e não os ricos – que abrigam a maioria das pessoas deslocadas. Os 46 países menos desenvolvidos respondem por menos de 1,3% do Produto Interno Bruto global, mas abrigaram mais de 20% de todos os refugiados.

O financiamento para as inúmeras situações de deslocamento e para apoiar os países que os acolhem ficou atrás das necessidades do ano passado, permanecendo baixo em 2023 à medida que os pedidos aumentam. Mais de metade de todos os refugiados (52%) são de apenas três países: Síria (6.5 milhões), Ucrânia (5.7 milhões) e Afeganistão (5.7 milhões).

*com informações da Agência Brasil / Inês Moreira Santos

The post No Dia Mundial do Refugiado, ONU pede mais solidariedade e menos bloqueio nas fronteiras appeared first on AcheiUSA.

Fonte: AcheiUSA