O que já começa a mudar para mulheres com Talebã no poder no Afeganistão

  • Redação
  • BBC News Mundo

Mulheres caminham em Cabul em 15 de agosto

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Mulheres caminham em Cabul em 15 de agosto

A chegada do Talebã a Cabul, capital do Afeganistão, despertou medo nos cidadãos, principalmente nas mulheres.

Com o retorno do grupo fundamentalista islâmico ao poder após 20 anos, as afegãs temem perder os direitos sociais e econômicos que conquistaram nas últimas duas décadas.

O Talebã impõe uma interpretação radical e estrita da lei islâmica que restringe severamente os direitos das mulheres.

A seguir, algumas das mudanças já observadas em Cabul em relação às mulheres nos primeiros dias após a volta do Talebã.

Sem mulheres na TV

Os principais canais de televisão do Afeganistão continuaram suas transmissões depois que o Talebã assumiu o poder.

No entanto, há diferenças notáveis, como o fato de não haver mais apresentadoras mulheres, de acordo com a BBC Monitoring.

Também foi observado um grande aumento nos comentários favoráveis ​​ao Talebã, em paralelo a muito poucas críticas ao grupo, em canais como a TV estatal National Afghanistan e as redes privadas Tolo News, Ariana, Shamshad e 1TV.

Crédito, Shamshad TV

Legenda da foto,

Clérigos islâmicos ocupam espaço nas redes de tv afegãs

A televisão estatal, cuja direção está nas mãos do Talebã desde a noite de 15 de agosto, tem transmitido em sua maioria programas religiosos.

Já grande parte da grade de programação da Tolo News e da 1TV tem repetido programas transmitidos aos domingos, possivelmente devido a dificuldades de trabalho.

No entanto, Saad Mohseni, dono do Moby Group, que inclui a Tolo TV e a Tolo News TV, declarou em um tuíte: “Posso garantir que nossa equipe está bem e que continuamos com nossa transmissão ininterrupta durante essa ‘transição'”.

O Moby Group é o maior gerador de programas de entretenimento, notícias e atualidades do Afeganistão.

Enquanto isso, a TV Shamshad, de propriedade de um ex-assessor presidencial, estava transmitindo conteúdo pró-Talebã.

Em um dos programas, o correspondente do canal mostrou moradores de Cabul comemorando que o grupo traria segurança e unidade ao país.

Nem vestidos, nem maquiagem

Após o avanço do Talebã no Afeganistão, muitos direitos sociais e econômicos conquistados nos últimos 20 anos chegaram ao fim de repente, disseram vários cidadãos afegãos à BBC.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Nas ruas de Cabul, até poucos dias atrás, era possível ver anúncios de mulheres maquiadas

E denúncias de restrição às liberdades das mulheres não são exceção.

“Há muitas restrições agora. Quando eu saio, tenho que usar burca (traje que cobre completamente o corpo da mulher, com uma treliça estreita à altura dos olhos), conforme ordenado pelo Talebã, e um homem precisa me acompanhar”, conta uma parteira de Ishkamish, distrito rural com serviços escassos na província de Takhar, na fronteira nordeste do Afeganistão com o Tajiquistão.

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Mulheres temem perda de direitos; uma delas disse que tiraria a própria vida a ter casamento forçado com combatente do Talebã

Nos primeiros dois dias após a chegada do Talebã a Cabul, as ruas da capital também começaram a dar sinais dessas mudanças restritivas para as mulheres.

Fotos nas redes sociais mostram que vitrines com imagens de mulheres sem véu, maquiadas e com vestidos de festa estavam sendo arrancadas ou cobertas de tinta.

‘Não sei como será o nosso futuro’

Muitas mulheres em Cabul sentem medo e falta de esperança.

Uma jovem, que preferiu não se identificar, descreveu a cidade como “silenciosa”. O Talebã governa a capital e todos estão em casa, disse ela à BBC.

“Eu tinha muitos planos para o meu futuro, mas agora não posso trabalhar nem ir para a universidade”, acrescentou.

“Não sei como será nosso futuro. Isso me fez perder a esperança. Estou procurando uma maneira de sair do Afeganistão porque não há esperança para as mulheres.”

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Com a volta do Talebã ao poder no Afeganistão, as mulheres temem perder os direitos conquistados nos últimos 20 anos

Aisha Ahmad, que estuda ciência da computação na Universidade de Cabul, acabou agredida no domingo junto à multidão que tentava pegar um voo para fugir do país no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, na capital.

“A multidão foi empurrada pela polícia, crianças e mulheres estavam no chão, machuquei minhas mãos, pés e joelhos”, contou a jovem de 22 anos à agência de notícias PA.

Depois de não conseguir embarcar, Ahmad fez um apelo nas redes sociais para que algum país conceda asilo a ela para que possa terminar seus estudos, o que ela não acredita mais ser possível.

“Perdi as esperanças e acho que não será um caminho fácil”, disse ela.

“Sinto como se estivesse em um túnel… Não consigo ver nenhuma luz brilhante e não sei qual é o comprimento do túnel.”

Mahbouba Seraj, ativista pelos direitos das mulheres e crianças em Cabul, disse à BBC que não serviria a ninguém se todas as mulheres deixassem o país, acrescentando que ela está disposta a dialogar e trabalhar com o Talebã.

“Se as mulheres do Afeganistão, as que estão envolvidas e temos trabalhado, pudessem se sentar à mesa e conversar com essas pessoas (os militantes), eles poderiam ser inteligentes e se conscientizar sobre os recursos que têm com as mulheres do Afeganistão”, declarou.

“Porque antes disso, antes do Talebã, nem o mundo nem nossa própria república via realmente a força da mulher afegã.”

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Comentários Facebook