Pais lutam na Justiça para que filha com síndrome rara receba morfina para a dor

Melody com os pais Foto: Reprodução do Facebook / Karina DriscollMelody Driscoll tem 11 anos. Ela não pode brincar e nem consegue interagir com outras pessoas, como ocorre com a maioria das crianças de sua idade. Portadora da síndrome de Rett — um dos tipos mais raros de autismo, que afeta o desenvolvimento do cérebro e resulta em deficiências mental e física severas — ela já passou por mais de 40 operações e hoje corre o risco de ir morar com uma família adotiva. Isso porque seus pais, Karina Marrie Driscoll e Nigel Driscoll, iniciaram juma batalha judicial para que a menina possa receber morfina e esteroides e, assim, ter suas dores aliviadas.
De acordo com o “The Mirror”, os médicos do King’s College Hospital retiraram a medicação da garota por receio de que ela cause danos fatais ao fígado de Melody. Karina, de 35 anos, está processando o hospital para tentar uma decisão judicial que determine que a filha receba as substâncias. Ela e o marido — que são de Croydon, no sul de Londres — temem que Melody, sem os medicamentos, tenha uma parada cardíaca.
Karina diz que quer ter a filha viva por quanto tempo seja possível, mas frisa que prefere que a menina tenha qualidade de vida, não quantidade de vida.

Fonte: Extra Online