Dois fuzileiros navais são presos por traficar imigrantes na fronteira

Dois fuzileiros navais foram presos na semana passada na Califórnia por supostamente…

Dois fuzileiros navais foram presos na semana passada na Califórnia por supostamente contrabandear um trio de imigrantes perto da fronteira entre os Estados Unidos e o México.

Bryon Darnell Law II e David Javier Salazar-Quintero foram capturados por volta das 10 da manhã, no dia 03, por um agente da Patrulha da Fronteira dos EUA, enquanto levavam três imigrantes indocumentados pela Interstate 8, em Jacumba Hot Springs (11 quilômetros ao norte da fronteira), segundo os registros judiciais apresentados no dia 05, no Tribunal Distrital do Distrito Sul da Califórnia.

Os três passageiros admitiram às autoridades que eram cidadãos mexicanos e estavam no país ilegalmente. Eles afirmaram que foram apanhados, na lateral da estrada, pelo carro preto dirigido por Bryon.

Dois dos três imigrantes disseram que planejavam gastar mais de US$ 8.000 para entrar nos EUA. Eles esperavam se estabelecer em Los Angeles e New Jersey, segundo os documentos judiciais.

Bryon e David, que estão detidos no Camp Pendleton, na Califórnia, disseram que também pegaram outro imigrante ilegal perto do mesmo local, por volta das 10:30 pm no dia 03. Eles levaram o homem para o estacionamento do McDonald’s, em Del Mar, onde ele foi pego por outra pessoa.

Depois de serem pegos, os fuzileiros navais culparam um ao outro por iniciar o contrabando de imigrante.

Bryon alegou que ambos os contrabandos foram organizados por David, que coordenou tudo através de conversas via celular com alguém ao sul da fronteira, o qual prometeu a ele a quantia de US$ 1 mil pelo primeiro serviço.

Apesar de não ser pago, Bryon concordou em pegar mais imigrantes ilegais na quarta-feira com a promessa de que David o compensaria financeiramente pelos dois serviços, segundo documentos judiciais.

David, no entanto, alegou que foi Bryon quem o apresentou ao ato criminoso. Em quatro ocasiões diferentes, ele admitiu que esteve em Jacumba Hot Spring para pegar as pessoas, inclusive na última terça e quarta-feira. “A primeira vez que voltei sem pegar ninguém”, afirmou, enquanto que na segunda, foi prometido o valor de US$500, “mas não pago”, pelo contrabandear um homem.

Fonte: Redação Braziliantimes

Fonte: Brazilian Times