Dez das bibliotecas mais bonitas dos mundo

Quando bem incluídas em roteiros de viagem, as bibliotecas podem ser uma boa forma de mergulhar na cultura local. Não apenas por causa dos livros ali guardados: muitas vezes, os próprios edifícios são testemunhos da história local. Confira dez das bibliotecas mais bonitas do mundo a seguir:

1. Biblioteca Nacional República Tcheca

Localizada dentro do Klementinum, um complexo histórico no centro de Praga, a biblioteca é chamada de pérola barroca por alguns e guarda aproximadamente 20 mil livros, a maioria sobre teologia. De pé desde 1722, o espaço foi utilizado por uma das maiores universidades jesuítas do mundo, o que fica ainda mais claro quando se observa os afrescos pintados no teto, que contam com imagens de santos e anjos. É possível conhecer o local virtualmente por aqui.

Interior da Klementinum
Os passeios guiados em tcheco ou em inglês acontecem de sexta a domingo e custam CZK 300. A entrada dá direito a ler alguns dos volumes da biblioteca. Klementinum/Divulgação

2. Biblioteca da Abadia de São GaloSuíça

Documentos oficiais mostram que a biblioteca foi erguida junto com a Abadia de São Galo durante o século 8, mas o espaço sofreu uma repaginada completa na metade dos anos 1700, quando traços do rococó invadiram as estantes, tetos e paredes. O espaço guarda mais de 160 mil obras, algumas disponíveis para uso público, e também expõe edições manuscritas e impressas de livros com mais de 700 anos.

Interior da Biblioteca da Abadia de São Galo
Por CHF 18, o tour guiado pela abadia e suas dependências acontece diariamente e tem duração de 45 minutos. No entanto, é possível consultar os volumes disponíveis na biblioteca gratuitamente de segunda a sexta-feira. Biblioteca da Abadia de São Galo/Reprodução

3. Biblioteca e Museu MorganEstados Unidos 

Escondido na ilha de Manhattan, a cinco minutos do Empire State, o complexo sedia apresentações teatrais, abriga obras de arte e também possui uma biblioteca com edições originais dos trabalhos de Edgar Allan Poe, Charles Dickens e Shakespeare, sem falar dos manuscritos da idade média, das partituras de Beethoven e das três Bíblias de Gutenberg. Das quatro áreas destinadas aos livros, as que merecem mais destaque são a Sala Leste, que conta com três andares de prateleiras e afrescos no teto que representam os signos do zodíaco, e a Sala Oeste, toda revestida com seda vermelha.

Interior da Biblioteca e Museu Morgan
De quarta, quinta, sábado e domingo, a entrada custa US$ 22. De sexta, a entrada é gratuita. Para ter acesso aos livros do acervo, é necessário preencher um formulário disponível no site. Controtono/Flickr

4. Biblioteca Municipal de StuttgartAlemanha

A três horas de carro de Munique, a Biblioteca Municipal de Stuttgart é de um minimalismo que enche os olhos dos apaixonados por arquitetura. Inaugurada há dez anos, seus nove andares remetem a uma pirâmide invertida e guardam mais de 500 mil mídias, que são divididas entre livros, jornais, quadros, DVDs, CDs e mais.

Continua após a publicidade
Interior da Biblioteca Municipal de Estugarda
Para utilizar as dependências da biblioteca, é preciso pagar uma taxa de € 4 ao mês e ter residência na Alemanha. Também existem tours guiados pelo lugar, mas eles não estão ocorrendo atualmente devido à pandemia. Bervaz/Flickr

5. Bibliotheca AlexandrinaEgito

Prestando homenagem à antiga Biblioteca de Alexandria, o edifício circular em granito é coberto de hieróglifos feitos por artistas locais e fica ao lado de um grande espelho d’água. Localizada na cidade de Alexandria, na beira do Mar Mediterrâneo, a biblioteca guarda cerca de 500 mil obras impressas e divide espaço com museus, galerias de arte, um planetário e um laboratório dedicado à restauração e preservação de manuscritos antigos.

Exterior da Bibliotheca Alexandrina
É possível conhecer o local através de um tour guiado oferecido pela própria biblioteca, que cobra uma entrada de EGP 70. Aqueles que fazem o passeio também têm direito a conferir o acervo. Mats Palmgren/Flickr

6. Biblioteca NacionalFrança 

Quando foi fundada em 1300, a Biblioteca Nacional da França ficava dentro do Louvre, que, na época, ainda era um palácio real. Hoje, o acervo de mais de dez milhões de títulos está dividido em cinco estabelecimentos diferentes de Paris. O mais impressionantes deles é o abobadado Edifício Richelieu.

Interior da Biblioteca Nacional Da França
A biblioteca do Edifício Richelieu abre de segunda a sábado, das 9h às 20h, e exige um pagamento de € 5 para ver o acervo. StephanieB/Flickr

7. Real Gabinete Português de LeituraBrasil

Pairando num local não tão convidativo do centro do Rio de Janeiro está um dos maiores tesouros portugueses no Brasil. O local pode até passar despercebido andando pela rua, mas é só avistar a pequena fila que se forma na porta principal para saber que se trata do Real Gabinete. Erguido em 1887 no estilo manuelino, sua fachada apresenta esculturas de ícones lusitanos e suas estantes abrigam mais de 350 mil obras, que compõem o maior acervo de obras portuguesas fora de Portugal. Ainda estão expostas ali obras raras de Luís de Camões, além de centenas de cartas de escritores renomados.

Interior do Real Gabinete
O local está em funcionamento de segunda a sexta, das 10h às 16h. É possível visitar seu interior gratuitamente, assim como ter acesso aos livros do acervo. Edu Mendes/Reprodução

8. Biblioteca Rampur RazaÍndia

Considerada uma das bibliotecas mais importantes do sul da Ásia, a Rampur Raza foi fundada em 1774 e abriga algumas das obras mais preciosas de diferentes escritores, pintores, calígrafos e músicos asiáticos. O colossal complexo foi construído no estilo indo-sarracena, com elementos arquitetônicos que vêm das tradições hindu, gótico vitoriano e islâmico. Em suas prateleiras estão 17 mil manuscritos em árabe, persa, hindi e línguas turcas, bem como uma coleção de cerca de 60 mil livros em várias línguas indianas e estrangeiras.

Exterior da Rampur Raza
A biblioteca abre de sábado a quinta, das 10h às 17h. A entrada e o acesso ao acervo são gratuitos. Rampur Raza Library/Reprodução

9. Biblioteca de Tianjin China

Com estantes que vão do chão ao teto, a Biblioteca de Tianjin, a 100 km de Pequim, parece mais um cenário de um filme de ficção científica do que um espaço para leitores. Com um acervo de mais de um milhão de obras, mas com capacidade para o dobro disso, a construção se destaca pela sua esfera central, chamada de “O Olho”, que abriga um auditório onde acontecem apresentações teatrais e musicais.

Interior da Biblioteca de Tianjin
Aberta diariamente. Não é necessário adquirir ingresso para conferir o acervo, apenas para assistir algumas das apresentações no auditório. Frank Alvarado/Flickr

10. Biblioteca Estadual da Austrália do Sul

Mesmo não sendo a maior do país (este título vai para a Biblioteca Estadual de New South Wales), a Biblioteca Estadual da Austrália do Sul possui a maior coleção de manuscritos datados da pré-colonização europeia no país. Seu acervo fica dividido em três edifícios anexados no centro cultural de Adelaide, sendo que o que mais se destaca visualmente é o prédio Mortlock, erguido no estilo vitoriano no século 19.

Interior da Biblioteca Estadual da Austrália do Sul
Seu acervo pode ser acessado gratuitamente de segunda a sábado, das 10h às 17h. Também ocorrem tours gratuitos por todas as alas da biblioteca durante os dias da semana, das 11h às 14h. Craig Shillabeer/Flickr
  • Continua após a publicidade

    Fonte: Viagem e Turismo

    Comentários Facebook