Após prisão de brasileiras na Alemanha, governo anuncia programa de reforço da segurança em aeroportos

O governo lançou nesta quarta-feira (21) um programa para aumentar a segurança de passageiros e bagagens em todos os aeroportos nacionais. A iniciativa vai começar no terminal de Guarulhos, em São Paulo, e o investimento inicial previsto é de R$ 40 milhões.

Com o nome de “Aeroportos + Seguros”, o programa prevê a instalação de mais câmeras no check-in, inspeção de bagagens, instalação de novos equipamentos de raio-x, scanners corporais e detectores de líquidos e explosivos, entre outras.

Segundo o governo, as medidas serão implementadas de forma escalonada, da seguinte forma:

Em até 6 meses

  • Implementação de câmeras de segurança;
  • Identificação com chave de acesso individualizado ao sistema de bagagem no terminal internacional;
  • Restrição de uso de celulares e tablets em áreas restritas;
  • Entrada centralizada no terminal de cargas;
  • Acesso biométrico de funcionários nas áreas restritas e/ ou controladas no terminal 2 do aeroporto de Guarulhos.

Em até 12 meses

  • Acesso biométrico de funcionários nas áreas restritas e/ou controladas nos demais terminais;
  • Sistema de monitoramento;
  • Recebimento de equipamentos de segurança pela concessionária do aeroporto via convênio com a autoridade americana de aeroportos;
  • Aquisição de outros equipamentos que não fazem parte do convênio.

Em até 18 meses

  • Reforço de segurança na inspeção de passageiros;
  • Incremento da vigilância nos canais de funcionários do aeroporto;
  • Aumento da proteção e inspeção das bagagens despachadas.

Segundo o governo, o programa deve ser expandido para os aeroportos que recebem voos internacionais até dezembro de 2025. O investimento total é estimado em cerca de R$ 240 milhões, de acordo com o ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França.

“Trabalhadores que trabalham na parte interna dos aeroportos são muito mais vulneráveis que os servidores públicos porque eles não têm qualquer tipo de proteção”, afirmou o ministro.

Chegam brasileiras que ficaram presas na Alemanha, depois que a bagagem delas foi trocada

Chegam brasileiras que ficaram presas na Alemanha, depois que a bagagem delas foi trocada

“Sempre que surge uma novidade como nesse episódio, nós temos que ir aprimorando. Esse aprimoramento é dever nosso porque nós cobramos das pessoas uma taxa para que elas tenham conosco a garantia de que é um serviço público, que a rigor está sendo feito por outra empresa”, disse.

De acordo com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, as medidas devem ser estendidas aos portos nacionais.

“Vamos muito em breve fortalecer essa parceria com o Ministério de Portos e Aeroportos com o anúncio de um trabalho conjunto no setor portuário, temos guarda portuária que integra o Susp [Sistema Único de Segurança Pública], queremos que se estenda ao segmento”, afirmou.

Fonte: G1