Imigração: Quase 6.700 brasileiros foram presos em junho na fronteira, afirmam autoridades

Imigrantes de países muito além da América Central estão cada vez mais chegando às fronteiras dos Estados Unidos sob o governo de Joe Biden. O local mais usado por eles é a região fronteiriça com o México onde o risco de serem pegos é maior.

Desde o início do ano fiscal, que começou em outubro de 2020, os agentes do Departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP, sigla em inglês) detiveram mais pessoas do Caribe, Europa Central e América do Sul do que no ano passado. Embora os imigrantes do México e da América Central representem cerca de 75% de todos os indocumentados nas fronteiras norte, sul e regiões costeiras, muito mais pessoas de outros países estão chegando, de acordo com dados recentes.

U.S.-Mexico Border Crossing Grows More Dangerous : NPR

Alguns viajaram milhares de quilômetros e cruzaram os oceanos pela chance de entrar nos Estados Unidos. “Estamos vendo uma mudança permanente na imigração pela fronteira. E agora está se crescendo”, disse Theresa Cardinal Brown, diretora-gerente de imigração e política transfronteiriça do Centro de Política Bipartidária em Washington. “Estamos vendo um grande aumento de pessoas, não dos países da América Central e nem do México”.

Os agentes que trabalham ao longo das fronteiras relataram um aumento de 13.951% no número de venezuelanos presos entre junho de 2020 e junho deste ano. Isso ocorre quando mais de 26.000 venezuelanos fugiram da repressão política e das terríveis circunstâncias econômicas que seu país vive no momento.

Do Equador, um país de 17 milhões de habitantes localizado na ponta noroeste da América do Sul, mais de 54.000 pessoas foram encontradas pelas autoridades de fronteira dos EUA nos últimos nove meses – cinco vezes mais do que no mesmo período no ano passado.

Os brasileiros também estão deixando o seu país em um número maior. Quase 30.000 brasileiros foram encontrados na fronteira, em comparação com menos de 9.000 no ano anterior. Os 6.678 brasileiros detidos no mês passado representam um aumento de 8.248%. A pandemia do coronavírus atingiu o Brasil com mais força neste ano do que no ano passado, provocando crises internas que forçaram as pessoas a buscar rotas alternativas para melhorar de vida.

Embora a mudança nos padrões de imigração seja óbvia, o governo federal está focado em responder ao invés de planejar, de acordo com especialistas. Por exemplo, o CBP respondeu a esse aumento colocando tendas para manter e libertar pessoas de sua custódia, mas deveria fazer planos para lidar, caso continue ou piore.

Além disso, a “mentalidade de fiscalização” do CBP não considera como o contrabando humana diferente do tráfico de drogas, armas de fogo, dinheiro e outros itens. “Eles estão apenas juntando tudo ao dizer que tem que proteger a fronteira de tudo” disse Theresa . “Não controlamos quando as pessoas chegam e temos que administrá-las quando chegam. Também é precico haver um equilíbrio para tratar as pessoas de maneira humana, mas cumprindo as regras”. // Fonte: Brazilian Times.

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook