O Estado americano onde voltou a valer lei de aborto do século 19

  • Elsa Maishman
  • Da BBC News

Fotografia colorida mostra um homem e uma mulher negros protestando com cartazes e diversas pessoas brancas protestando em segundo plano

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Americanos protestam contra restrições ao direito ao aborto em Tucson, no Arizona

Uma lei criada no século 19 que determina a proibição quase total do aborto voltou a valer no Arizona, nos Estados Unidos.

Uma juíza estadual suspendeu uma liminar que impedia a aplicação da lei, que data de 1864. A regra permite aborto apenas para salvar a vida da mãe.

Isso foi possível porque, em junho deste ano, a Suprema Corte dos EUA revogou a decisão no caso conhecido como “Roe versus Wade”, que determinava que havia um direito constitucional ao aborto em âmbito nacional.

A revogação não tornou o aborto automaticamente ilegal, mas deu aos Estados o poder de impor suas próprias proibições. Desde então, os Estados vêm decidindo se o procedimento é permitido em seu território e em quais situações.

A lei do Arizona é anterior até mesmo à fundação do Estado e inclui pena de dois a cinco anos de prisão para quem ajudar alguém a fazer um aborto. A lei havia sido bloqueada por uma decisão liminar em 1973, após a histórica decisão de “Roe versus Wade”.

A revogação da decisão nacional, no entanto, permitiu que a liminar fosse derrubada, o que aconteceu na sexta-feira (23/09), por decisão da juíza Kellie Johnson, do Tribunal Superior do Condado de Pima.

A decisão foi condenada pela Casa Branca como “catastrófica, perigosa e inaceitável”, com um porta-voz destacando a falta de permissão para aborto para mulheres que sofreram estupro, para gravidez decorrente de incesto e para mulheres com condições médicas não-letais.

A presidente da entidade de planejamento familiar Planned Parenthood no Arizona, Brittany Fonteno, disse que não consegue “nem explicar o quão cruel” é essa mudança.

“Nenhuma lei arcaica deveria ditar nossa liberdade reprodutiva”, disse ela.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

O Arizona é governado por republicanos

15 semanas

O Arizona, assim como vários outros Estados liderados por republicanos, aprovou uma legislação estadual proibindo o aborto após 15 semanas de gravidez.

A lei foi aprovada no início deste ano para que pudesse entrar em vigor imediatamente após a derrubada da decisão de Roe versus Wade.

A mudança no entendimento do Supremo americano já era esperada devido à mudança de composição do tribunal, que passou a ter maioria de membros mais conservadores.

Agora não está claro qual legislação vai ter precedência: se a proibição de 15 semanas ou a proibição quase total.

O governador do Arizona, Doug Ducey, disse que seria a proibição de 15 semanas, mas o procurador-geral republicano Mark Brnovich disse que deveria ser a proibição mais antiga.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Marcações: