A admissão de refugiados será reduzida de acordo com nova política de Trump

O presidente Donald Trump, planeja reduzir a admissão de refugiados em 3.000 a um máximo de 15.000 em 2021, e enviou sua proposta ao Congresso menos de uma hora antes do prazo para definir a cota expirar para o novo ano fiscal, seu governo anunciou na noite de quarta-feira.

O programa de reassentamento de refugiados de 40 anos foi reduzido durante sua gestão, e o número para 2021 será um declínio de 16% em relação às admissões de 2020. A Lei dos Refugiados de 1980 exige que os presidentes comuniquem sua decisão antes de 1º de outubro, quando o ano fiscal começa. O presidente deve consultar o Congresso antes de anunciar a cifra, embora a decisão em última instância seja ele.

Trump congelou as admissões deste ano em março, argumentando a necessidade de proteger os empregos dos americanos em meio à crise econômica decorrente da pandemia do coronavírus.

O secretário de Estado Mike Pompeo disse que o governo está comprometido com a liderança histórica do país em fornecer um abrigo seguro para refugiados.

“Continuamos sendo os maiores contribuintes para aliviar as crises humanitárias em todo o mundo e continuaremos sendo”, disse Pompeo a repórteres em Roma, além de uma conferência sobre liberdade religiosa organizada pela embaixada dos Estados Unidos. “Certamente, enquanto o presidente Trump permanecer no cargo, prometo que o governo está profundamente comprometido com isso.”

Mas ativistas dizem que as ações do governo não provam isso. Desde que chegou à Casa Branca, Trump reduziu o número de refugiados autorizados a entrar no país em mais de 80%, refletindo seus esforços para conter drasticamente a imigração legal e ilegal.

Neste ano fiscal, os Estados Unidos admitiram pouco mais de 10.800 refugiados, pouco mais da metade da cota de Trump para 2020 de 18.000, antes que o Departamento de Estado suspendesse o programa de coronavírus.

O limite de 18.000 já era o mais baixo da história do programa. Além disso, o Departamento de Estado anunciou na semana passada que interromperá o fornecimento de informações estatísticas sobre o reassentamento de refugiados, aumentando ainda mais a preocupação.

Ativistas dizem que o governo Trump está desmantelando um programa que há muito tem apoio bipartidário e que é visto como um modelo para proteger os mais vulneráveis do mundo.

Dezenas de escritórios de reassentamento foram fechados devido à redução do financiamento federal, que está vinculado ao número de refugiados que se mudam para o país.

Mas o dano está sendo sentido além das fronteiras dos Estados Unidos, à medida que outros países também fecham suas portas aos refugiados.

“Estamos falando de dezenas de milhões de famílias desesperadas sem nenhum lugar para ir e nenhuma esperança de proteção a curto prazo”, disse Krish Vignarajah, presidente do Serviço Luterano de Imigração e Refugiados, uma agência financiada pelo governo federal responsável pelo reassentamento de refugiados nos Estados Unidos.

Fonte: Brazilian Press