Associação de Educação da Flórida pede ao juiz liminar temporária para atrasar o início das aulas

Imagem ilustrativa: Taylor Wilcox, Unsplash.

A Associação de Educação da Flórida, que representa 145.000 educadores do estado, entrou na quarta-feira, 5, com pedido na justiça de uma liminar temporária para atrasar o início das aulas nas escolas públicas do estado.

A audiência continua nesta quinta-feira, 6, depois que o governador Ron DeSantis apresentou uma moção para arquivar a ação, e a audiência de quarta-feira foi encerrada.

A ação pede a um juiz que devolva o controle aos distritos escolares locais, o que permitiria que eles decidissem quando as escolas podem reabrir para receber alunos presencialmente.

Entenda o caso

A Associação entrou com uma ação judicial no dia 20 de julho contra o estado para que estudantes e professores não voltem às salas de aula até que o estado obtenha grandes ganhos na luta contra a COVID-19.

Na audiência de emergência na quarta-feira, 5, a Associação pediu para interromper a ordem executiva do governador que exige que todas as escolas da Flórida retomem as aulas presenciais no outono, cinco dias por semana.

A moção observa que, em 3 de agosto, mais de 38.000 floridianos com menos de 18 anos apresentaram resultado positivo para o vírus, e, de 16 a 24 de julho, houve um aumento de 23% nas hospitalizações infantis COVID-19.

O primeiro dia de aula é daqui a algumas semanas em algumas cidades. O governador da Flórida, Ron DeSantis, o comissário de educação Richard Corcoran, o departamento de educação do estado, o Conselho de Educação – e o governador de Miami-Dade, Carlos Gimenez – são todos citados no processo. Gimenez é responsável pelo condado que continua sendo o epicentro da COVID-19 do estado.

“O governador DeSantis precisa de uma verificação da realidade e estamos tentando fornecer uma”, disse o presidente da FEA Fedrick Ingram à Associated Press no mês passado. “O governador precisa aceitar a realidade da situação aqui na Flórida, onde o vírus está saindo de controle.”

A presidente da Associação Nacional de Educação, Lily Eskelsen Garcia, falou sobre o assunto após o processo. Ela afirmou que “reabrir todas as escolas da Flórida antes que seja seguro é imprudente. Não é razoável. É desnecessário e é uma escolha falsa manter as escolas fechadas e parar de aprender ou abri-las sem segurança”.

DeSantis disse que seu pedido está oferecendo aos pais – e professores – opções. “Os pais precisam escolher o melhor ambiente para seus alunos e filhos”, disse ele. “Se um professor não se sente confortável lá … acho que devem receber o maior número de opções possível.”

Com aulas 100% on-line, as escolas do Condado de Broward começarão em 19 de agosto e Miami-Dade a partir de 31 de agosto. Os superintendentes dos dois distritos escolares reavaliam a volta das aulas presenciais em outubro.

Até então, as últimas datas de início das aulas na área de Tampa, aprovadas pelos conselhos escolares locais, com reabertura das escolas, são:  Hillsborough, Pinellas, Pasco & Polk – 24 de agosto.; Citrus -20 de agosto; e Manatee County Schools – 17 de agosto. Com informações da BayNews9 e FOX35.

Related Images:

[See image gallery at gazetanews.com]

O post Associação de Educação da Flórida pede ao juiz liminar temporária para atrasar o início das aulas apareceu primeiro em Gazeta News: O maior Jornal Brasileiro da Florida, nos EUA.

Fonte: Gazeta News