EUA vão reabrir fronteira com Canadá e México após 19 meses

Imagem da fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos em 13 de fevereiro de 2020 — Foto: Christinne Muschi/Reuters

Os Estados Unidos vão reabrir as fronteiras terrestres com o Canadá e o México a partir de novembro, após 19 meses, mas apenas para estrangeiros completamente imunizados contra a Covid-19.

As novas regras permitirão viagens não essenciais, independentemente do motivo, e entrarão em vigor na mesma data em que os EUA vão suspender também as restrições à entrada de estrangeiros vacinados em viagens internacionais (veja no vídeo abaixo).

EUA anunciam suspensão de restrições de entrada no país a partir de novembro

EUA anunciam suspensão de restrições de entrada no país a partir de novembro

Desde o início da pandemia, as viagens entre EUA e Canadá e México pela via terrestre (por trens, balsas, carros, ônibus e caminhões) estão restritas a viagens essenciais.

Tanto o México quanto o Canadá pressionaram os EUA durante meses para aliviar as restrições às viagens não essenciais, que impediam as viagens de lazer e separaram famílias que moram próximas à fronteira, mas em países diferentes.

Vacinas aprovadas

O governo americano afirmou na sexta-feira (8) que vai aceitar a entrada de visitantes internacionais que tenham tomado vacinas contra a Covid-19 aprovadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) ou pela FDA (autoridade americana equivalente à Anvisa).

Isso incluiria a CoronaVac, imunizante da farmacêutica chinesa Sinovac produzido no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. Os EUA não usam a vacina, mas ela teve seu uso emergencial autorizado pela OMS em junho.

Os EUA usam os imunizantes da Pfizer/BioNTech, da Janssen e da Moderna (esta última não é utilizada no Brasil). As vacinas autorizadas pela OMS até o momento são as seguintes:

  • Pfizer/BioNTech
  • Moderna
  • Oxford/AstraZeneca — produzida no Brasil pela Fiocruz
  • Janssen (Johnson & Johnson)
  • SinoPharm
  • CoronaVac — produzida no Brasil pelo Instituto Butantan

VEJA TAMBÉM:

VÍDEOS: as últimas notícias internacionais

Fonte: G1

Comentários Facebook