Indocumentados pagaram mais de $30.000 por falsa promessa de residência legal à mulher de NY

Uma mulher de origem hispânica e residente em New York fingiu ser uma advogada de imigração e prometeu residência permanente legal para imigrantes indocumentados, mas na verdade isso não passou de um golpe de mais de US $30.000, informou o gabinete do Promotor Distrital de Nassau na segunda-feira.

Tania González, 44, foi presa em 7 de junho acusada de se apresentar como advogada de imigração para “vários imigrantes indocumentados em busca de ajuda”, entre 1º de janeiro de 2016 e 31 de janeiro de 2020, de acordo com agências de aplicação da lei. González disse às vítimas que, se elas estivessem nos Estados Unidos por 10 anos, teriam direito a um visto de 10 anos, mesmo que tivessem entrado ilegalmente, mas tal visto não existe de acordo com a Lei de Imigração, disseram os promotores.

González solicitou pagamentos iniciais “substanciais” por seu trabalho e, em muitos casos, entrou com um pedido de asilo fraudulento junto aos Serviços de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos sem o conhecimento das vítimas, de acordo com os promotores. A promotora distrital em exercício, Joyce Smith, disse que Gonzalez é acusada de mentir para imigrantes trabalhadores ao prometer ajudá-los em seu caminho para a obtenção de residência nos Estados Unidos. “Tania González tem vários pseudônimos e suspeitamos que mais pessoas possam ter sido enganadas por ela”, acrescentou.

González também usava pseudônimos de Tania Ayala e Tania González Renderos, disseram os promotores. Na época as autoridades de imigração forneceram documentos de autorização de trabalho para as vítimas de González, enquanto a agência processava os pedidos originais, de acordo com os promotores. González teria usado a emissão dos documentos de autorização de trabalho para mostrar às vítimas que estava trabalhando em seus casos para obter os vistos prometidos, disseram as autoridades. No entanto, o USCIS emite documentos de autorização de trabalho para que os indivíduos possam sustentar-se e às suas famílias enquanto aguardam as ações da agência, de acordo com os promotores.

Uma vez que os pedidos nos casos das vítimas foram processados, os Serviços de Cidadania e Imigração foram alertados para o fato de que os pedidos foram feitos sem o conhecimento dos indivíduos e começaram a agir, disseram os promotores. A prisão foi o resultado de uma investigação conjunta da promotoria e do Departamento de Segurança Interna, Detecção de Fraudes e Segurança Interna dos Estados Unidos. Gonzalez é acusada de 10 crimes por furto em terceiro grau, uma acusação de grande furto em quarto grau e uma acusação de conspiração de fraude em primeiro grau. Ela foi libertada sob fiança e deve retornar ao tribunal em 25 de agosto. Se for condenada pela acusação principal, González pode pegar até sete anos de prisão. Os promotores estão pedindo a qualquer pessoa que acredite ter sido vítima de Gonzalez que entre em contato com a Promotoria de Assuntos Imigrantes pelo telefone (516) 571-7756.

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook