Legislativo de NJ aprova proibir a venda de cosméticos testados em animais

Os legisladores estaduais deram mais um passo na quinta-feira para endurecer as regras de New Jersey contra a venda de cosméticos que foram testados em animais. Ambas as casas do Legislativo estadual aprovaram de forma esmagadora um projeto de lei que proíbe a venda de qualquer cosmético que tenha sido desenvolvido ou testado em animais a partir de janeiro de 2020. A proibição se aplica mesmo quando os testes foram conduzidos fora de New Jersey.

O estado já proíbe o teste de cosméticos em animais quando existe um método alternativo de teste, como o uso de tecidos humanos ou computadorizados. Mas os legisladores disseram que querem acabar totalmente com a prática e enviar uma mensagem às empresas que ainda participam da prática. “Os testes cosméticos em animais não são apenas desnecessários e muitas vezes ineficazes, mas também contribuem para o sofrimento animal severo”, disse o senador estadual Joseph Lagana, democrata de Bergen.

“É triste saber o que esses animais suportam por dias ou semanas”, acrescentou Lagana. “Este projeto de lei tornará ilegal a venda de qualquer produto testado em animais em New Jersey, o que incentivará as empresas a interromper essa prática antiética.” A legislação (S1726) foi enviada para o governador Phil Murphy por uma votação de 74-0 na Assembleia Estadual com uma abstenção e 35-0 no Senado Estadual. Os infratores podem ser punidos com multa de US $1.000.

“Os testes em animais para produtos cosméticos foram instituídos na década de 1940. Desde então, avançamos muito nos testes e procedimentos que antes eram usados e hoje estão muito desatualizados. Podemos garantir a segurança dos produtos utilizando métodos modernos que não incluem ferir animais”, afirmaram os principais patrocinadores da Assembleia em comunicado conjunto. Haverá exceção se as autoridades regulatórias federais ou estaduais exigirem testes em animais, de acordo com o projeto de lei.

Fonte: Brazilian Press