Steve Bannon lidera ataque contra o Papa: Ele é o “inimigo”

Foto26 Steve Bannon Steve Bannon lidera ataque contra o Papa: Ele é o “inimigo”
Após o encontro com Steve Bannon (foto), Salvini se tornou mais público contra o Papa, alegando que conservadores no Vaticano estavam do lado dele

O antigo chefe da campanha eleitoral Trump aconselhou o ministro do interior italiano, Matteo Salvini, a atacar o Papa com relação à imigração

O antigo estrategista de campanha do Presidente Donald Trump, Steve Bannon, aconselhou o ministro do interior italiano, Matteo Salvini, a atacar o Papa com relação à imigração, segundo fontes ligadas à extrema direita italiana. Durante um encontro em Washington-DC, em abril de 2016, Bannon, que poucos meses depois assumiria a posição de chefe da campanha presidencial de Trump, sugeriu ao líder da liga partidária contra a imigração que ele deveria começar a atacar abertamente o pontífice, que fez do drama vivido pelos refugiados uma das bases do seu papado.

“Bannon aconselhou pessoalmente Salvini de que o Papa atual é um tipo de inimigo. Ele sugeriu, com certeza para, para ataca-lo frontalmente”, comentou um membro da liga durante entrevista com o website SourceMaterial.

Após o encontro com Bannon, Salvini se tornou mais público contra o Papa, alegando que conservadores no Vaticano estavam do lado dele. Uma postagem no Twitter por Salvini, em maio de 2016, dizia: “O Papap diz que os imigrantes não são perigosos. Tanto faz!” Já em 6 de maio, Salvini disse que o pedido do Papa por compaixão com relação aos imigrantes: “Imigração descontrolada, uma invasão financiada e organizada traz caos e problemas, não a paz”.

Salvini anunciou que ele planeja espalhar a extrema direita por toda a Europa através de uma aliança. Na segunda-feira (15), em Milão, ele divulgou “visão dele para a Europa nos próximos 50 anos”, considerando o evento o lançamento de uma nova coalisão de extrema direita para as eleições parlamentares europeias em 23 de maio. Salvini revelou a aliança dele poucos dias depois de ter se encontrado com Bannon, em março. Tal encontro leva a crer que Bannon escolheu Salvini como líder informal do Eurocético, forças populares na Europa. Ambos também se encontraram em Roma há 6 meses, fazendo com que Mischaël Modrikamen, gerente do movimento, postar no Twitter que o ministro interino da Itália “estava dentro!”

Bannon, numa entrevista ao canal de TV NBC e o site SourceMaterial também abordou os alertas feitos pelo Papa com relação ao renascimento de movimentos populistas. “Você pode viajar pela Europa, o populismo está se alastrando como fogo e o Papa está muitíssimo errado”.

Após o encontro ocorrido em setembro de 2016 entre Salvini e Bannon, o líder da liga foi fotografado segurando uma camisa com a frase “Bento é o meu papa”. O slogan refere-se no Vaticano à versão da campanha “birther” iniciada por Trump contra Barack Obama, o alega que o papado de Francisco é ilegítimo e que o predecessor ultraconservador, Bento XVI, é na verdade o pontífice verdadeiro.

Bannon vem continuamente formando oposição a Francisco através do Dignitatis Humanae Institute, criado por ele e com sede num monastério do século 13 no topo de uma montanha não muito distante de Roma. Em janeiro de 2017, Bannon tornou-se patrono do instituto, cujo presidente honorário é o Cardeal Raymond Burke, um ultraconservador quer acredita que uma rede organizada de homossexuais está disseminando a “agenda gay” no Vaticano. O chefe do instituto é o ex-primeiro ministro da Itália, Luca Volontè, julgado por corrupção por ter aceitado propinas do Azerbaijão. Ele negou todas as acusações.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook