Phil Murphy dá o primeiro passo para anular estado de emergência no estado de NJ

Na terça-feira, legisladores estaduais deram o primeiro passo para acabar com a emergência de saúde pública causada pelo COVID-19 no ano passado, mas o governador Phil Murphy ainda manteria alguns pontos como proteção de inquilinos e proprietários de famílias com dificuldades financeiras, hospitais e instalações de cuidados de longo prazo para evitar a taxa de transmissão. Essa lei também dá ao governador amplos poderes para emitir ordens, regras e regulamentos conforme necessário.

Mas o lobby republicano criticou o projeto, porque, argumentam os legisladores que ele dá ao governador, essencialmente, todos os poderes para declarar uma emergência de saúde sem ter essa emergência de saúde. O projeto de lei vem no momento em que Murphy está sendo criticado por sua decisão de rejeitar as diretrizes do CDC para anular o uso de máscaras entre os vacinados na maioria dos locais, tornando New Jersey e Havaí os únicos estados que mantêm a exigência. Murphy foi criticado por meses pelos republicanos por seu uso de poderes executivos na pandemia, mas pesquisas recentes mostram forte apoio às medidas que ele tomou. Na semana passada, Murphy disse que permitiria que a emergência de saúde pública expirasse no próximo mês, desde que os legisladores lhe enviassem uma legislação que lhe daria as “ferramentas necessárias para lidar com a atual ameaça à saúde pública”, bem como vacinas.

Murphy declarou emergência de saúde pública e estado de emergência em março de 2020, poucos dias após o estado registrar seu primeiro caso conhecido de COVID-19. A emergência de saúde pública deve ser renovada a cada 30 dias pelo governador para manter as proteções. O projeto apresentado na Assembleia detalha quais poderes os legisladores democratas acreditam que Murphy deve manter e quais políticas devem ou não permanecer em vigor até 1º de janeiro. A moratória sobre despejos e execuções hipotecárias seria mantida, dando aos locatários e proprietários que lutam para fazer os pagamentos uma trégua. Também manteria certas isenções de saúde em vigor que fornecem flexibilidade para unidades de saúde para trazer ajuda de fora do estado ou aumentar o número de leitos de cuidados intensivos.

E com o verão se aproximando, a conta manterá o pedido de Murphy, que permite que os restaurantes continuem servindo no exterior. O projeto de lei de Coughlin prevê que trabalhadores de hospitais e casas de repouso continuem protegidos de ações judiciais, exceto em certos casos, uma medida que o estado tomou durante a pandemia. Alguns legisladores e grupos de defesa dizem que as proteções legais deveriam ter terminado meses atrás, assim como outros estados próximos. O próprio Murphy disse que a imunidade “não está na minha lista” de razões para manter a emergência de saúde. O projeto diz que o governador pode ser mais restritivo com os protocolos de segurança se houver aumento de internações, maior positividade de ponto ou taxa de transmissão maior que 1.

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook